Drones: aliados ou empecilhos?

Drones: aliados ou empecilhos?

Num texto com direito a cinco vídeos, Leila Haddou discorre sobre uma nova forma de reportar notícias: o uso de drones. Populares na gíria mundial devido aos esforços de controlo de regiões conturbadas e usados por Barack Obama para acalmar os ânimos da Al-Qaeda, os drones podem ser a mais interessante tecnologia a apoiar os esforços dos média.

Estes robots são uma ferramenta preciosa em cenários de guerra, onde é arriscado colocar repórteres perto dos locais-chave. Haddou afirma que Robert Picard, co-autor de um estudo sobre o uso destas máquinas para efeitos noticiosos, prevê que esta tecnologia poderá ser absorvida por um grande número de agências mediáticas até ao fim do ano corrente. Porém, Dean Wynton, perito em fotografia aérea, avisa que as baterias ainda não estão preparadas para emissões longas: “The technology simply isn’t ready to tackle live broadcasts, 10 minutes at a time is the most you’ll get out of a drone, and until battery technology improves, it certainly won’t be ready for a good few years yet.”

Mesmo assim, estas máquinas já estão a ser usadas pela BBC e revelaram-se cruciais nas diversas reportagens sobre o mais recente desastre natural: as cheias que vitimaram várias partes da Inglaterra. Também estão a ser usados para captar imagens do Rio de Janeiro, naquele que é o ano em que mais notícias sobre o Brasil circularão nas redes socias, média e blogs.

Um dos outros problemas colocados pelo recurso a este material, e que já foi glosado por Jeff Bezos da Amazon, é o facto de terem de ser medidos os riscos associados. Um porta-voz da Russia Today afirma já ter usado drones em larga escala, particularmente em zonas nas quais ainda não existe regulação sobre estes dispositivos.

No entanto, já houve casos perigosos. Na Cidade do Cabo um homem esteve quase a ser empurrado do telhado. Isto significa que, para que as máquinas se massifiquem como ferramentas utilizadas por todos os média, ainda irão passar alguns meses de análises jurídicas. Para além do mais, se a tecnologia se tornar comum, poderá ser usada por paparazzi, o que certamente constituirá mais uma violação da privacidade.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s