“Twitter cubano” surpreende a ilha

Num país onde a Internet ainda é um luxo, a oferta de notícias enviadas para os telemóveis através de uma rede de partilha de mensagens foi bem recebida por 40 mil cubanos, o número máximo de utilizadores alcançados pelo Zunzuneo. Os cubanos que aderiram ao serviço não sabiam que as mensagens eram patrocinadas pelos Estados Unidos; o Governo de Cuba ainda tentou bloquear a plataforma, mas nunca terá chegado a descobrir a sua origem.

O Zunzuneo (chilreio de um passarinho em calão de Cuba) não era público. Lançado e gerido pela Agência dos EUA para o Desenvolvimento (USAID), o projecto foi mantido secreto graças a um sistema complexo de empresas de fachada, contas bancárias em Espanha e nas ilhas Caimão, servidores sediados em três países e responsáveis contratados sem saberem que estavam a trabalhar para uma agência governamental norte-americana.

A USAID supervisiona programas de ajuda humanitária e garante não se envolver em programas secretos nos países onde actua.

“O plano era desenvolver um ‘Twitter cubano’ elementar, que usasse mensagens de texto enviadas e recebidas por telemóveis para contornar o estrito controlo informativo e da Internet que o Governo de Cuba mantém”, descreve a agência. A ideia era começar por enviar mensagens com conteúdo inócuo, sobre desporto e música, e quando a audiência tivesse crescido o suficiente espalhar “mensagens de conteúdo político para inspirar os cubanos a criar em rede convocatórias de manifestações massivas que fossem marcadas rapidamente”. A longo prazo, o objectivo era “renegociar o equilíbrio de poder entre o Estado e a sociedade”, lê-se num documento da USAID.

Saimi Reys Carmona estudava jornalismo na Universidade de Havana quando soube da existência do Zunzuneo. O anúncio dizia “mensagens gratuitas” e a jovem decidiu subscrever o serviço. “Comecei a enviar uma mensagem por dia”, o máximo permitido no início, contou à AP. A certa altura, a popularidade da rede explodiu. “Toda a gente queria ter, em meses cheguei aos 2000 seguidores e não fazia ideia de quem eram nem de onde vinham.” Reys percebeu um dia que tinha o segundo maior número de seguidores no país.

“Era uma coisa maravilhosa”, diz Ernesto Guerra Valdes, namorado de Saimi Reys Carmona, que chegou a ter mil seguidores. “Nobre.” Os dois tentaram perceber quem estaria por trás da rede mas sem sucesso. “Sempre achámos estranho, tanta simpatia e generosidade”, diz Guerra. O Zunzuneo era “a fada madrinha dos telemóveis”.

Lançada em Dezembro de 2009, a plataforma deixou de funcionar em 2012, depois de algumas tentativas do Governo de Raul Castro para a bloquear. Os cubanos que a aproveitaram enquanto durou ficaram sem perceber o que tinha acontecido, até agora.

 

http://www.publico.pt/mundo/noticia/eua-criaram-twitter-cubano-para-provocar-agitacao-na-ilha-dos-castro-163109

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s