Dificuldades na Guiné-Bssau obrigam os media a “vender-se”

As dificuldades financeiras na Guiné-Bissau estão a fazer com que alguns órgãos de comunicação social se estejam a “vender” aos candidatos às eleições e sejam alvo de manipulação, denuncia o sindicato dos jornalistas do país.

As eleições legislativas e presidenciais realizaram-se a 13 de abril e o PAIGC elegeu a maioria dos deputados do parlamento, enquanto a corrida ao palácio presidencial vai decidir-se numa segunda volta a 18 de maio.

A poucos dias do início da campanha há um “quadro de dificuldades financeiras em que alguns órgãos se estão a vender”, referiu Mamadu Candé, presidente do Sindicato dos Jornalistas e Técnicos da Comunicação Social (Sinjotecs) à agência Lusa.

Aquele responsável aponta como exemplo situações em que os candidatos pagam um valor diário aos jornalistas para que os acompanhem em determinadas acções – caso contrário, podem não ter meios para o fazer.

“Um candidato leva consigo o jornalista e paga-lhe um ‘per diem’. Isto não tem nenhuma independência nem objectividade. Há riscos enormes” para a tarefa de informar o público, destaca Mamadu Candé.

Artigos de opinião a favor de um ou outro candidato apresentados como sondagens e candidaturas que dominam a informação de alguns órgãos foram outras das situações verificadas nas semanas que antecederam a votação de 13 de abril.

“A comunicação social teve de comprometer a sua independência em troca da sobrevivência financeira” durante a campanha, concluiu na altura o relatório da missão eleitoral da União Europeia (UE) que analisou alguns dos casos.

“Os órgãos de comunicação públicos e privados cobriram o processo eleitoral com condições financeiras extremamente difíceis, o que influenciou a sua capacidade de oferecer uma cobertura equilibrada e imparcial, pondo em causa o pleno gozo da liberdade de imprensa”, destacou-se no documento.

No caso do setor público, uma greve calou a televisão e rádios nacionais durante vários dias – afetando inclusivamente a transmissão dos tempos de antena.

As eleições presidenciais na Guiné-Bissau vão ser decididas a 18 de maio num segunda volta entre José Mário Vaz, ex-ministro do PAIGC, e Nuno Nabian, independente apoiado por figuras do PRS, principal partido da oposição.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s