Great Britain: The Stolen Children

Imagem

Um artigo no Público de ontem dava conta de uma realidade assustadora: a adopção como resultado de uma quasi-conspiração entre estado, governos locais, segurança social e famílias de adopção. Neste jogo todos ficam a ganhar, menos os pais. E as crianças é claro. Este artigo surge de uma excelente reportagem de investigação para rádio, conduzida pela jornalista Florence Bellone, que já lhe valeu o prémio Lorenzo Natali para rádio.

Este é um excelente exemplo de jornalismo de investigação, que nos surge nos dias de hoje como um marco de vitória, reflexo de uma realidade cada vez mais rara no seio da comunicação social. Mais: esta é uma reportagem de direitos humanos com consequências bem mais profundas que o simples informar. É o jornalismo no seu estado mais nobre. Uma investigação rigorosa, conduzida ao longo de quatro anos (sim, 4!), em que a jornalista, ocultando a sua identidade profissional, e fazendo-se passar por defensora de famílias sem advogado, penetrou neste universo e começou a desfiar um novelo que vinha a crescer a ritmo frenético de há uns anos para cá.

No Reino Unido, cada vez era maior o número de crianças retiradas aos pais, por alegadas falta de condições, maus tratos, etc. O que havia mudado? A lei. Tony Blair havia criado, durante o seu governo, um pacote de estímulos para famílias que adoptassem crianças incluídas nesta categoria e para autarquias que conseguissem atingir um determinado volume de adopções. Os serviços sociais eram (são) também estimulados a aumentar o número de adopções e os juízes, perante a argumentação determinada destes últimos, muitas vezes nem ouviam a defesa dos pais e assinavam a sentença.

O resultado da investigação é chocante. “Conheci crianças que suplicavam. Queriam voltar para os pais”, diz Florence Bellone, citada pelo Público. Aguarda-se agora para ver que consequências irão advir da investigação da jornalista. Mas uma coisa é certa. Algo vai ter que mudar. Este é o tipo de jornalismo irmão do que levou à renúncia de Nixon do cargo de Presidente dos Estados Unidos da América. É o tipo de jornalismo dotado de um profundo dever cívico de procura da verdade e exposição da mesma, em defesa da integridade e dignidade humana, contra os preceitos intitucionais corruptos, negligentes e catastróficos para a sociedade.

A reportagem radiofónica foi feita para a cadeia de rádio belga RTBF.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s